Posts com Tag ‘Mecanica’

Fonte: youtube.com

Questionamento feito pelo site do Auto Esporte extremamente relevante!

 

O sistema start-stop desliga e religa o motor automaticamente em paradas rápidas, como trânsito e semáforos, por exemplo, o que economiza combustível e emite menos poluentes. Nos carros comuns, desligar o motor manualmente nessas situações tem o mesmo efeito? Aprendi que só compensaria se o tempo da parada fosse superior a três minutos. Rosberg Medeiros Barreto, Tocantins
Nos motores com injeção eletrônica, segundo Rafael Boreli, gerente da divisão de motores de partida da Bosch, três segundos já tornariam vantajoso desligar o carro. “Este tipo de sistema de alimentação consegue identificar a temperatura do motor e dar uma partida consumindo menos combustível”, explica.

 

Um dos problemas de desligar e ligar o carro manualmente, no entanto, é o risco de descarregar a bateria. “O sistema start-stop checa se a carga é suficiente para uma nova ignição antes de desligar o carro, evitando o problema”, afirma Boreli. Outra questão é a durabilidade do motor de partida. “Os convencionais agüentam cerca de 40 mil partidas, carros com start-stop duram até 250 mil”, diz.

 

Fonte: http://revistaautoesporte.globo.com/

AutoCAD 2012No ultimo dia 26 de março de 2011, a versão 2012 do AutoCAD foi lançada. Como era de se esperar, veio melhorias em recursos existentes e mantido o formato DWG do AutoCAD 2010 e 2011 nesta nova versão (a famosa compatibilidade binária).

Usuários do AutoCAD a partir da versão 2009, não devem ter surpresas que dificultem o uso. Uma das maiores mudanças do AutoCAD nos últimos anos foi a implementação da interface “Ribbon” (preservada nesta versão), que apesar de poder ser revertida assusta um pouco quem estava acostumado com a interface clássica.

Nada de mudança radical, a interface do programa é praticamente a mesma da anterior e para quem não tem costume de explorar recursos não deve ver grandes diferenças logo nas primeiras utilizações.

Comandos básicos como de produção de desenho, edições de layers, dimensões etc… continuam praticamente intocáveis no que diz respeito a interface das janelas e a mecânica de funcionamento destes.

Alguns novos recursos e melhorias do AutoCAD 2012

Auto CompleteExemplo de uso de auto completar comandos no AutoCAD 2012, onde ao digitar PE são listados os comandos que iniciam com esta nomenclatura.

Dentre as melhorias, algo que pode ser facilmente percebido é o recurso “Auto complete” (imagem acima), que mostra opções de comandos conforme se digita o mesmo. Esta novidade é algo de fato simples, mas produtivo, ajuda sobretudo para quem usa atalhos pelo teclado para entrada de comandos.

Associative Array, ou simplesmente Array Associativo, é o uso do comando array onde objetos podem ser associados a uma determinada geometria. Exemplo, distribui-se blocos ao longo de um arco, na medida que se altera o arco em sua dimensão ou angulo, os objetos são reajustados de acordo com o resultado final da edição do arco.

Comandos Fillet, Chamfer, Blend, e Join melhorados. Agora você pode ter uma prévia de como ficará o desenho antes de aplicar o comando. Um exemplo (figura abaixo) é quando se aplica o fillet em duas linhas para formar o arco no encontro das mesmas, ao posicionar o mouse no segundo objeto da seleção pode-se ver a projeção do arco como ele ficará.

Fillet AutoCAD 2012Neste exemplo de uso de do comando fillet no AutoCAD 2012, após selecionada a primeira linha basta posicionar o mouse na segunda para ver a prévia e decidir se o comando deve ser aplicado.

Mais formatos podem ser utilizados com a importação modelos 3D de como CATIA®, SolidWorks®, Pro/ENGINEER® e outros.

Alguns vídeos (como abaixo) foram disponibilizados de forma oficial pela autodesk no youtube e mostram algumas funcionalidades.

O que há de novo!

Apresentação de interface


Download da versão de teste

Quem desejar testar o novo AutoCAD 2012, está acessível pelo mesmo link das versões anteriores, o autodesk.com/autocad-trial. Vale ressaltar, que a cada novo lançamento do AutoCAD a Autodesk tem retirado desta página as versões anteriores, assim, você deve ver neste link o download do 2012 até que uma nova versão (talvez um AutoCAD 2013) seja disponibilizada.

A versão de teste funciona por 30 dias e você precisa preencher um cadastro antes de baixa-la. Ela funciona paralelamente com outras versões do AutoCAD sem afeta-las, isto significa por exemplo que se tem o AutoCAD 2010 instalado e desejar testar este, pode faze-lo sem problemas, e após o período do teste se decidir pode desinstalar a versão “trial”.

Fonte: http://www.aditivocad.com/

Pesquisadores da Unicamp desenvolveram um equipamento que permite fazer o alinhamento das rodas de um veículo usando imagens captadas por meio de câmeras digitais de baixo custo.

Entre as principais novidades do novo equipamento está a redução em 40% do tempo de verificação da angulagem da roda em comparação com o medidor tradicional usado em oficinas e centros automotivos.

O equipamento também pode ser mais barato: o protótipo, construído com equipamentos comprados no comércio e sem qualquer ganho de escala, custou menos de R$1.000,00. Duas empresas já se interessaram pelo desenvolvimento do produto.

Sistemas de alinhamento

Os sistemas de alinhamento utilizados no mercado estão baseados na instalação de sensores mecânicos nas rodas dos veículos, exigindo ambientes apropriados para realizar a calibração, o que encarece a instalação e, por decorrência, o serviço final.

Há também o investimento em recursos humanos, uma vez que o operador precisa de treinamento adequado. “O sistema não é muito fácil de ser manipulado. Uma pessoa leiga, por exemplo, não tem condições de operá-lo,” explica Paulo Roberto Gardel Kurka, responsável pelo desenvolvimento do novo sistema de alinhamento eletrônico.

O novo sistema é muito mais simples: uma vez que as câmeras estejam posicionadas corretamente e a iluminação seja adequada, qualquer pessoa com um mínimo de treinamento consegue executar a verificação do alinhamento.

A eliminação do processo atual de regulagem da projeção de um feixe de luz em um painel graduado acaba acarretando os 40% de redução de tempo nesse tipo de verificação. Kurka ressaltou, no entanto, que o alinhamento é composto de medição e correção. “É importante lembrar que o tempo de ajuste continua sendo o mesmo”, assegurou.

Alinhamento eletrônico

Duas câmeras, alinhadas e dispostas sobre um sistema de posicionamento, capturam a imagem do conjunto roda/pneu a ser analisado.

Tanto a câmera da esquerda como a da direita identificam um mesmo padrão e enviam essas informações para um programa de processamento de imagens.

O programa faz uma reconstrução tridimensional, ou seja, dois padrões são transformados em uma única imagem virtual tridimensional.

O resultado é usado como base para comparação com uma imagem padrão de um pneu alinhado. “A variação é que fornece a informação sobre o estado do alinhamento,” explicou Kurka.

Outra peculiaridade dessa técnica de trabalhar com padrões é que as câmeras utilizadas individualmente são de baixa resolução. Quando se fixa o olhar em um pixel pode nem mesmo ser possível detectar uma pequena mexida no pneu.

No entanto, quando se seleciona um padrão de pixels, mesmo que um deles permaneça inalterado, é possível observar uma pequena variação que é captada pelo software. O fato de se trabalhar com um padrão de pixels, e não somente com um, fornece uma precisão chamada sub-pixel.

“É isso que possibilita a medição de pequenas variações de grau, como por exemplo, 0,5° ou 1°. Para isso é importante um padrão de alinhamento. O que medimos é a variação angular”, ressaltou o coordenador.

Como o objeto de medição é o nível de inclinação, não importa se o aro do pneu é 14, 15 ou 18.

O sistema de processamento das imagens foi desenvolvido a partir de um software livre chamado “Blender” e de ferramentas de processamento numérico.

Fonte: http://www.inovacaotecnologica.com.br

Bombas a Pistão

Publicado: 30/03/2011 por Eluan em Engenharia Mecânica
Tags:, , , ,

Sugestão do meu amigo Brok!

BOMBAS A PISTÃO

PRINCIPIO DE FUNCIONAMENTO

As Bombas a Pistão INDESUR, funcionam acopladas a um motor pneumático alternativo acionado com ar. Contam com um cilindro que contêm o pistão e um jogo de válvulas. Na parte inferior do cilindro se encontra a boca de aspiração, enquanto que o de impulsão está localizado lateralmente.

O princípio de funcionamento é simples. O ar comprimido dentro do motor, é direcionado por uma válvula distribuidora mecânica a um lado o outro de um pistão, gerando o movimento alternativo deste que se transmitirá ao eixo da bomba. A mesma é de duplo efeito, ou seja, que o bombeio se realiza em ambos sentidos do movimento do pistão.

Uma peça de desenho especial realiza a união roscada entre a bomba e o motor. O movimento alternativo se repete indefinidamente enquanto este conectado o subministro de ar, independente de estar ou não alimentada com líquido.

Sendo que é a pressão atmosférica que impulsa o líquido dentro da bomba uma vez produzido o vácuo, a pressão de sucção máxima teórica do equipamento é de 101,3 Kpa, chegando na prática a valores próximos aos 70 Kpa (aproximadamente 10psi).

A diferença entre as áreas efetivas dos pistões pneumáticos e hidráulicos, se traduz na relação entre as pressões de ar subministrado e de produto entregado. Em modelos de alta pressão poderá obter-se uma pressão de produto de até 64123,5 Kpa (9300 psi).

CICLO DE BOMBEIO

A Eixo em posição inferior.
B Se produz a abertura da válvula de sucção e o enchimento da bomba. Simultaneamente, pelo fechamento do eixo, é desalojado o produto que se encontra sobre o selo do êmbolo.
C Eixo em posição superior.
D Pela ação do eixo, que se desloca para baixo, se produz a abertura da válvula do êmbolo e o fechamento da válvula de sucção, desalojando produto pela saída num volume igual ao ocupado pelo eixo.
E Eixo em posição inferior.

Fonte: http://www.bombasindesur.com.ar/br/info/piston_funcion.htm

Pensando em instalar o Solid Works?

Confira se seu computador é capaz de rodar, sem ter dores de cabeça mais tarde!

Requisitos de hardware, software e Sistema Operacional para Solid Works e Solid Works Simulation estão listados abaixo:

Sistemas Operacionais Microsoft Windows® Suportados:

SolidWorks 2009
SolidWorks 2010
SolidWorks 2011
Windows 7 x86 Não Sim Sim
Windows 7 x64 Não Sim Sim
Vista x86
Sim
Sim
Sim
Vista x64
Sim
Sim
Sim
XP Professional x86 Sim Sim Sim
XP Professional x64 Sim Sim Sim

Requisitos de Hardware e Software:

RAM
  • Minimo: 1GB RAM
  • Recomendado: 6GB RAM ou mais para sistema operacional Windows 7 x64
Video
  • Recomendado que o computador possua uma placa grafica.
CPU
  • Processador Intel® ou AMD®
  • eDrawings® é suportador em computadores baseados em Apple Macintosh®
Outros
  • DVD drive
  • Microsoft Internet Explorer versão 6.x ou superior
  • Adobe Acrobat versão 7.0.7 ou superior
  • Microsoft Office Excel 2003, 2007, ou 2010
Redes
  • O SolidWorks só é testado em  redes  Microsoft Windows Networking e redes Active Directory

Fontes: http://www.solidworks.com/sw/support/SystemRequirements.html (em inglês)